segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Palestra na APAE

Confesso que andei bem atrapalhada com outras ocupações nos últimos tempos, motivo pelo qual compartilho com bastante atraso a palestra que dei na APAE em novembro do ano passado.

Falar de imagem e estilo é o que sei fazer e o faço com prazer, não importa a quem, onde, porque. Levar às pessoas esse aprendizado é sempre muito bom! Dizer a elas que podemos ter um novo olhar sobre nós mesmos, um jeito de nos ver com maior c-o-m-p-r-e-e-n-s-ã-o e aceitação do corpo que temos, traz segurança emocional para, inclusive, deixarmos de fazer comparações com outras pessoas, as quais não temos nada em comum a ser comparado. Cada um é um.

Entender que a moda é imposição e que estilo são escolhas próprias, faz toda a diferença. Sem segurança emocional, consumimos mais e errado, num círculo vicioso de desperdício e insatisfação. Buscamos no material o que falta no emocional equilibrado.

Falei ainda da importância da imagem pessoal nos ambientes que frequentamos, sobretudo no ambiente de trabalho, construída a partir do conhecimento sobre nós mesmos, nosso corpo, nosso estilo de vida e nossos gostos pessoais.

Enfim, uma tarde valiosa de interação com pessoas especialmente lindas. 

Eu com as mães e profissionais da APAE de Americana



 Até breve e obrigada pela visita!



terça-feira, 11 de março de 2014

Palestra Corporativa "Dia da Mulher"

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, dei uma palestra sobre Imagem Pessoal & Profissional para um grupo de mulheres de uma empresa de serviços.
Falar de imagem pessoal para o público feminino é sempre curioso e divertido ao que se antecede ao encontro. Tem também o durante e o depois.

O antes é normalmente marcado por um buchicho, uma cúmplice preocupação a respeito da roupa. São dias de perguntas do tipo: com que roupa eu vou? E agora, o que vou vestir? É comum elas pensarem que a consultora ali estará pra reparar o que estão vestindo...rss. Claro que não é isso, mas essa expectativa faz parte do show...rss.  É inevitável, é o nosso jeito, assim é o universo feminino. Mulheres vestem-se para as outras mulheres, ponto!

Em seguida vem o durante, hiato de tempo que elas ainda estão pouco à vontade, mas já bastante atentas à palestra que vai lhes despertando os sentidos a medida que se descobrem diante do que vou apresentando. Elas começam a entender como é possível construir uma imagem positiva para abrir portas, melhorar relacionamentos, seja na vida profissional ou pessoal. Como é importante para a carreira profissional ter uma marca pessoal, se distinguir positivamente e com coerência através da roupa, fazendo da própria imagem uma poderosa ferramenta de comunicação.
Aprendem a descobrir seu verdadeiro estilo, seu perfil físico e tantos truques e segredinhos pra deixar a silhueta mais bonita diante do espelho, mais harmonizada com o seu eu interior. É autoestima e autoconfiança que vem pra vida da gente.  É autoconhecimento que fica pra sempre.
Passam a entender que o nosso guarda-roupa é solução para o dia a dia e não um problema, se pararmos de amontoar roupas e mais roupas que vamos comprando e não conseguimos gostar de nada.
Aprendem que buscar o autoconhecimento significa elevar a autoestima, a autoconfiança, ganhar mais alegria e maior autonomia. Saímos da eterna insatisfação com a gente mesma e passamos à consumidoras conscientes que fazem escolhas seguras e certeiras, trazendo economia para o bolso. Economia, de verdade!

Fim de palestra e o depois é revelador! A plateia já não é mais a mesma; super descontraídas, elas estão visivelmente surpresas com tanta informação, entusiasmadas, mesmo! Muitas perguntas e um indisfarçável desejo de mudanças, de construir seu próprio estilo.
Enfim, a descoberta de que é possível destacar-se através de como nos vestimos e não o que vestimos.


Obrigada pela visita! 


Beijos!

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Orgulhosamente, professora!

Sabe aquelas coisas que acontecem por acaso? Curriculum aprovado e de repente sou professora do curso de Consultoria de Imagem Pessoal, convidada pelo Senac de Piracicaba. Não poderia ter acontecido acaso mais apaixonante. Sempre concebi que o conhecimento só tem razão de ser, quando compartilhado. Ensinar é dar formato às ideias. Enquanto ensinamos, aprendemos, formando um círculo virtuoso no saber.

E falar sobre imagem pessoal é um ofício prazeroso. A alma do trabalho de consultoria de imagem está no comportamento do cliente e isso para mim é um fascínio. Ensinar detalhadamente essa formação, ver as alunas – e futuras consultoras de imagem - se encantando com o frescor da autoestima que se eleva diante das abordagens inovadoras e inquietantes do poder da comunicação do vestir, da relação com o corpo e a consciência que tomamos dele, do autoconhecimento. Do ritual diário de cobrir o corpo que, de um ato mecanicamente despercebido, passa a ser centro das nossas atenções, se revelando em ato de carinho pra gente, enquanto revelamos quem somos e o que queremos transmitir ao mundo. É mesmo fascinante!

Levei para o curso toda minha energia, meu coração e minha consciência, expus minhas convicções. Baseada em minhas referências, fui além do tratado e da metodologia, aprofundando o olhar sobre o que é ser consultora de imagem pessoal.

De repente, quando a gente percebe, as alunas não veem a hora de exercitar a nova profissão, de por sua autoria no trabalho que deverá encher de autoestima, de confiança e de descobertas a vida de suas futuras clientes, essas delícias de sensações que permite a cada uma de nós vestir o corpo de um jeito só nosso. É mesmo uma delícia, um orgulho!

Aqui estão algumas fotos minhas com as alunas e dos bons momentos do curso. Foi uma convivência incrível, prazerosa, de expectativas, de alegrias e de muitas descobertas boas.  


Aqui, rodeada por algumas alunas. As Thalitas, Ane, eu e Rosângela. 

Análise de guarda-roupa. Desvendando o estilo das alunas.


Sra. Magalhães, eu, Vera e Léa

Dia de aula prática. Vera e Maria, consultoras da Adilene (ao centro), nossa "cliente" convidada.


Aula prática. Thalita e Graziela, dando consultoria à Ana Paula (ao centro), nossa convidada.


Almoçando com as alunas. Da sala de aula para o prazer de boas companhias.


Até breve e obrigada pela visita!
Beijos

domingo, 18 de agosto de 2013

50 years old!

Leio na revista Elle desse mês um artigo sobre as mulheres cinquentonas. Um texto tão belo quanto real. Sim, as mulheres que entraram na casa dos cinquenta estão mesmo arrasadoras, lindas, super desejadas, felizes. São mulheres reais, comuns, curtindo a vida que desejam viver.
Vá lá que elas já não dispõem do atraente frescor, como diz o artigo, nem do viço da pele ou da força sedutora dos cabelos de outrora. Idealizada desde a pré-história para ser apenas um ser procriador e moeda de troca entre os homens na luta pelo eterno poder, ela se transforma ao longo da história (e que história!), no fenomenal poder centralizador capaz de comandar a vida de quem ela quiser.
Por falar em mulher madura, remeto-me ao belo poema Canção na Plenitude, de Lya Luft:

Não tenho mais os olhos de menina
nem corpo adolescente, e a pele
translúcida há muito se manchou.
Há rugas onde havia sedas, sou uma estrutura
agrandada pelos anos e o peso dos fardos
bons ou ruins. (Carreguei muitos com gosto e alguns com rebeldia.)
O que te posso dar é mais que tudo
o que perdi: dou-te os meus ganhos.
A maturidade que consegue rir
quando em outros tempos choraria,
busca te agradar
quando antigamente quereria
apenas ser amada.
Posso dar-te muito mais do que beleza
e juventude agora: esses dourados anos
me ensinaram a amar melhor, com mais paciência
e não menos ardor, a entender-te
se precisas, a aguardar-te quando vais,
a dar-te regaço de amante e colo de amiga,
e sobretudo força — que vem do aprendizado.
Isso posso te dar: um mar antigo e confiável
cujas marés — mesmo se fogem — retornam,
cujas correntes ocultas não levam destroços
mas o sonho interminável das sereias.

Mas e daí, que já chegaram aos cinquenta? A mulherada continua super ativa, segura de si, cheia de liberdade e leveza. A mulher madura permanece convicta no movimento vanguardista que abre portas, ocupa  espaços que lhe pertence sem pedir licença. Culpa pelo direito de exercer a vida na plenitude? Claro que não! Ela já cumpriu seus vários papeis na primeira metade da vida. Do social ao profissional, maridos, filhos, amigos, viagens, tudo ela abarca. Com namorado a tiracolo ou sozinha, ela encara a maturidade com sua identidade assegurada, esbanjando experiências, com as rédeas da vida nas mãos. Nem podia ser diferente. Quem vive as mudanças, transforma-se!
Essa mulher se cuida, faz escolhas conscientes, tem estilo próprio e sabe ser ela mesma. E ainda consegue manter-se bonita e atraente através das suas rugas.

Minha lista de belas celebridades cinquentonas:


Apesar dos cinquenta, convenhamos, a natureza foi bastante generosa com essas lindas mulheres.

  
Obrigada pela visita, volte sempre!
Um beijo!



Fotos: Reprodução





quarta-feira, 12 de junho de 2013

Dia dos Namorados

Neste Dia dos Namorados o blog dá dicas para eles acertarem no presente das namoradas. As sugestões são muito bacanas porque favorecem o tipo físico delas, trazendo mais equilíbrio e harmonia no visual. O resultado é que elas ficarão ainda mais bonitas e super satisfeitas com o presente. Veja em qual perfil físico sua namorada se encaixa e siga as dicas. Pode apostar que você vai agradá-la.

Mulher de tronco comprido e pernas curtas, presenteie-a com:
Calças e saias de cintura alta, se possível com detalhes verticais.
Calças de corte reto, ou de boca levemente aberta, bem compridas, para serem usadas com salto alto.
Vestido tubo sem cintura marcada ou corte em A, comprimento acima dos joelhos.
Calçados de salto alto.

Mulher de tronco curto e pernas compridas, presenteie-a com:
Blusas, camisas ou blazers com comprimento abaixo da cintura.
Vestidos sem marcar a cintura ou de cintura baixa.
Saias de cintura mais baixa, não muito curtas.
Calças de cintura levemente baixa, de corte seco.

Mulher baixinha, presenteie-a com:
Blusas com detalhes verticais, como zíper ou listras verticais.
Vestidos tubos, envelope, chemisier ou modelo império.
Jeans skinny, lavagem escura, na linha da cintura.
Calçados de salto alto.
Colares compridos, lenços de pontas compridas.

Mulher de tronco volumoso, presenteie-a com:
Blusas ou vestidos com decotes em V profundo, de preferência em cores escuras.
Blusas cache-coeurs (cruzada na frente).
Vestidos envelope.
Calças mais justas, sem agarrar.
Blazers secos, com comprimento em torno dos quadris.

Mulher de quadril volumoso, presenteie-a com:
Saias evasê, envelope ou com detalhes verticais.
Vestidos envelope, corte em A ou estilo camisa.
Calças sem detalhes nos quadris, de boca levemente aberta (flare).
Calças jeans com lavagem escura, modelo flare.
Blazer ajustado, com comprimento levemente acima do quadril ou abaixo dele.

Quer inspiração?






Você não acha que ficou mais fácil acertar no presente dela? Eu explico: quanto mais conhecemos nossas proporções físicas e nosso estilo, mais bonitas nos tornamos quando vestimos a roupa certa para o nosso corpo. Esse é um dos segredos que fazem nossa imagem ficar cada vez melhor. Tem outros também, mas esses eu conto outro dia.

Então, é isso! Espero ajudar na sua incrível missão de ser o melhor namorado do mundo, pelo menos por hoje...rss. Que você tenha um feliz Dia dos Namorados!

Obrigada pela visita, volte sempre!
Um beijo!


Fotos: Reprodução


terça-feira, 4 de junho de 2013

Sessão cinema: A Malvada

Sábado à noite fiz uma sessão pipoca particular pra assistir (de novo) o filme A Malvada, com a incrível Bette Davis. Um clássico de 1950 cujo enredo fala dos bastidores do mundo do teatro, destacando a consagrada atriz Margo Channing, interpretada por Bette Davis, e sua  serviçal, a ambiciosa Eva Harrington (Anne Baxter), que se faz de amiga (da onça) e submissa além das ordens e necessidades da estrela famosa, um jogo para conquistá-la, em razão da sua obcecada intenção de atingir o estrelato. Dessa (falsa) amizade, tudo o que Eva Harrington realmente quer, e consegue, é o lugar de Margo como a principal estrela do teatro e a fama a qualquer preço. Em pouco tempo ela atinge seu objetivo. Afinal, egos inflados e ambiciosos sempre existiram, subtraindo despudoradamente o que for necessário para chegar onde desejam. Isso fica registrado no bom momento do filme pela consciência ética do personagem Addison Dewitt, de George Sanders, como crítico de teatro da trama, ao desmascarar Eva Harrington quando ela já vivia seu apogeu.

Interessante observar a diferença de um filme antigo para um filme dos padrões atuais. A Malvada é um filme onde as manipulações e os jogos de interesses são mostrados em diálogos enriquecedores, onde todas as cenas tem igual importância no enredo, todos os personagens tecem diálogos brilhantes que merecem estar ali na cena. Talvez porque o cinema naqueles tempos ainda não despertara para o lucro acima de qualquer coisa – se preocupando mais com a qualidade da mensagem, se importando menos com o tamanho do público que pudesse atingir -, e talvez, também, porque retratava uma sociedade menos assoberbada e mais interessada para o que realmente importava. Será que era isso mesmo? Talvez...

De quebra, ainda pude me deliciar com o figurino da época do pós-guerra, valorizando a feminilidade, trazendo à mulher uma imagem ingênua e sedutora, ao mesmo tempo, exaltando sua silhueta com cinturas marcadas, ombros expostos, bordados e tecidos nobres, cabelos bem tratados e maquiagens marcantes que a indústria do cosmético começava a alavancar, tudo como um novo ideal de beleza. Assim a moda foi sendo renovada depois dos anos difíceis da segunda guerra, período em que tudo era escasso e racionado, submetendo a indústria da moda a uma adaptação na busca de tecidos mais baratos e cortes econômicos, de estilo duro e militarizado.

Relembrei ainda as músicas, a volta das noites de gala e da alta costura, enfim um cenário real dos hábitos da sociedade americana no pós-guerra.
Para representar o ideal de beleza e sedução pretendido para a mulher do pós-guerra, há uma pequena participação no filme da principiante Marilyn Monroe, no papel da Srta. Caswell. Sua loirice e beleza sensual, seu olhar provocador, denuncia (para quem vê o filme hoje pela primeira vez) que aquela é Marilyn Monroe, que em pouco tempo se transformaria no maior símbolo sexual de Hollywood de todos os tempos.

Bem, de verdade mesmo, não sei muita coisa. Se o cinema de antes era melhor do que o de hoje, ou vice-versa, não sei dizer. Só sei que há uma diferença enorme no conteúdo e na forma entre o passado e o presente.

Veja o trailer original.



Espero que tenham gostado.
Obrigada pela visita, volte sempre!
Beijos!

terça-feira, 28 de maio de 2013

O trabalho de Fábio Luiz Benencase

Hoje quero falar do trabalho de um querido amigo. Amigo de longa data, artista desde sempre. Eu amo falar de comportamento e toda arte é expressão de comportamento humano.

Fábio Luiz Benencase é um artista anônimo. Publicitário de ofício, artista por vocação. Inspiração não lhe falta, talento, muito menos. Ele se comunica com as cores e com os pincéis como eu não consigo, muitas vezes, me comunicar com palavras.

Ele não está preocupado se vai expor sua arte. Ele só quer expressar suas palavras inaudíveis e silenciosas, nada mais. É assim que ele quer e gosta de ser. Usa a arte para sair da sua (voluntária) reclusão, o estilo que elegeu para viver.

Ah! que sorte a dele. Se expressa como quer, quando quer e se faz entender.

Tem horas pra tudo na arte do Fábio. A hora das artes do ofício, quando cria as logomarcas, entre outras criações, como publicitário na sua agência de publicidade Friends Propaganda & Design, que eu recomendo pelos excelentes serviços (veja AQUI), criações inteligentes e expressivas para a imagem do cliente. (Nisso, me incluo, com a minha logomarca criada por ele, muito elogiada por tantas pessoas).

E tem o momento das artes mais íntimas, trazidas da alma, as mais belas, das emoções particulares, de um momento indecifrável, indizível. Pode ser de delicada inspiração nas paisagens do cotidiano ou de dura emoção, de fragilidades, de nostalgia, da feminilidade ou da masculinidade das coisas e das pessoas.

Todas as criações do Fábio estão no seu blog f.design, veja AQUI.

Abaixo, um pouco (bem pouco) da arte do Fábio Luiz Benencase.


Fábio L. Benencase
Caminho

Pintura em aquarela

Fábio L. Benencase
Janotinha

Pintura em aquarela

Fábio L. Benencase
Dudu

Pintura em aquarela

Fábio L. Benencase
Old Man

Técnica com grafite 

Fábio L. Benencase
Orquídea

Pintura em aquarela

Fábio L. Benencase
Pitangas

Pintura em aquarela

Fábio L. Benencase
Books

Pintura em aquarela

Fábio L. Benencase
Dog

Pintura em aquarela

Fábio L. Benencase
Jardim de Casa

Pintura em aquarela

Fábio L. Benencase
Salvador

Pintura em aquarela

Fábio L. Benencase
Rua Velha

Pintura em aquarela

PS: Parabéns, Fábio!


Espero que tenham gostado do post. Eu amei tê-lo feito!
Obrigada pela visita, volte sempre!
Beijos!


Artes: Fábio Luiz Benencase